Review ..

Vincent Delerm
Kensington Square [Tôt ou tard ; 2004]

Ao atravessarmos Kensington Square sentimo-nos observados. Á nossa volta cruzam-se nomes que não se esgotam no anonimato. Fanny Ardant, Leonard Cohen, Milos Forman, François Truffaut, Anita Pettersen, Patrick Modiano, Neil Hannon, Thomas Fersen, Brett Easton Ellis, Jacques Tati, Fassbinder ... Todos eles se passeiam ao longo de Kensington Square, e sem o saber, também eles são observados. Ao fundo da praça um jovem franzino, de olhar clínico e obstinado, aponta todos os seus gestos, traçando a topografia envolvente, expondo-a através de um plano cinematográfico. Regista sons e conversas. Narra a de Dominique A e Karen Ann, que partilham por momentos o seu gostos musicais, em busca de uma hipotética cumplicidade, de um lugar comum ("Veruca Salt et Frank Black"). Compara a impossibilidade de uma relação a uma prova de natação, na qual os participantes nadam juntos, sem nunca se tocarem ("Natation synchronizé"). Kensington Square encontra-se rodeado por pequenos cafés parisienses, por baguettes & croissaints, por salas de concertos fumarentas, dentro das quais se escuta ao piano uma voz grave e intimista, secundada por vozes femininas e orquestrações pontuais ... Kensington Square poderia ser mais um filme de Jean Pierre Jeunnet , tendo em "Gare de Milan" os seus créditos finais ... Kensington Square poderia ser um album de Neil Hannon, se este fosse francês (como gostaria de o ser!) ... Kensington Square seria uma praça parisiense , se não se situasse em Londres ... Quando chegamos ao seu final, e olhamos para trás, um jovem franzino de Rouens continua a tirar notas ... O seu nome : Vincent Delerm.
- Pedro Sousa